Sindafep Seguros

Palavra do Presidente

A democracia se faz com instituições

Osmar de Araújo - Presidente do SINDAFEP

É momento de intenso debate na política brasileira. Mesmo reconhecendo a importância da democracia, os cidadãos estão vendo as instituições democráticas com uma imagem diferente da real. Isso é consequência da generalizada ineficiência diante das demandas sociais, de combate a corrupção, de fraudes e de desrespeito frente aos direitos da cidadania.

Ainda que exista a clareza de que as instituições democráticas são os pilares para o funcionamento da democracia, o cenário de descrédito e desesperança abre margem para o retrocesso. As instituições democráticas possuem características de representação, confiança, estabilidade e equilíbrio, justamente para mediar as interações e os diferentes interesses advindos da sociedade. 

Mas afinal, o que configura uma instituição democrática? Todas as normas culturais ou legais que foram criadas pelo homem e que estruturam as interações políticas, econômicas e sociais. Isso passa pela aprovação de leis, regras eleitorais, políticas públicas e partidos políticos, além do papel desempenhado pelos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. 

O Instituto Sivis, em parceria com o Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo (USP), realizou uma pesquisa que aponta que 61,5% dos brasileiros concordam, totalmente ou em parte, que o governo possa ignorar leis, o Congresso e outras instituições em um cenário de crise, se o objetivo for resolver os problemas e melhorar a vida da população.

A mesma pesquisa apontou que 76,8% das pessoas aceitariam relativizar a democracia caso o cenário de crise se agrave, e que 79,7% acreditam totalmente ou em parte que a democracia é a melhor forma de governo para o Brasil. É isso mesmo, a sociedade brasileira sabe que a democracia é o melhor caminho, mas não descarta a possibilidade do retrocesso diante das dificuldades.

Precisamos entender que a democracia não é algo natural, mas que vem de uma conquista civilizatória dos nossos antepassados ocidentais. O Brasil possui uma democracia jovem. Portanto, é normal que exista esse processo de aperfeiçoamento. Ainda assim, não podemos esquecer que a sua defesa deve ser permanente e contínua. Caso contrário, voltaremos à estaca zero. 

Nós, como representantes sindicais de uma categoria que serve a população, sempre vamos lutar pelo melhor caminho para a nossa sociedade. Além disso, os sindicatos são reflexo da democracia que existe no nosso país. Se hoje podemos defender os interesses da nossa classe, é porque existe o direito de escolha e de fazer valer o desejo da maioria. 

Osmar de Araújo
Presidente do Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita do Estado do Paraná - SINDAFEP